7 Dicas para ser Produtivo

Eu recebo constantemente mensagens de leitoras me perguntando como ser produtivo. As pessoas têm uma visão de que eu faço muita coisa e que dou conta de tudo. A primeira afirmação é verdadeira, eu faço muita coisa mesmo, sou elétrica, não consigo ficar muito tempo parada de pernas pro ar, minha cabeça está sempre pensando em algo novo, em um novo projeto. Mas a segunda afirmação não é tão verdadeira assim…rs, já que eu não dou conta de tudo, eu na verdade costumo dar conta do que eu defino como prioridade. Mas existem  muitas coisas que eu gostaria de fazer e simplesmente não dou conta não.

Porém, independentemente de eu dar ou não conta de tudo, eu me considero sim uma pessoa produtiva e ágil, que é diferente de ser uma pessoa rápida. Quem faz as coisas rápido nem sempre faz as coisas direito, quem é ágil consegue fazer rápido e com qualidade, o que também não significa que sempre fará tudo perfeito. Estamos sujeitos a erros, a falhas, somos humanos, e isso está super ok!

Pensando em tudo isso, para começar a semana inspirando quem tiver interesse no tema, eu listei 7 dicas que acho que são as que mais me ajudam a conseguir concluir as minhas tarefas no meu dia a dia e ser de fato uma pessoa produtiva. Espero que possam ajudar vocês também!

No meu canal do Youtube tem um vídeo bem bacana onde mostro como organizo minha agenda semanal, e ele também pode ajudar como complemento a esse post. Quem ainda não assistiu, vale a pena ver!

1. Entenda você e sua rotina

Sabe aquele negócio de: TEM QUE fazer exercícios de manhã, TEM QUE dormir 8 horas por dia, TEM QUE acordar cedo para o dia render, TEM QUE, TEM QUE, TEM QUE, e outras verdades absolutas que lemos e vemos por aí? Esqueça todas elas e encontre o que funciona para você, e isso você só vai descobrir testando, errando, tendo dias mais conturbados, outros mais produtivos.

Se entender e entender como as coisas funcionam no seu dia a dia pode levar um tempo, e o que funciona hoje amanhã pode não funcionar mais.

Eu já determinei alguns objetivos e ações para o meu dia que hoje não funcionam mais. Hoje estou em um equilíbrio ótimo, mas que daqui um tempo pode não ser mais o ideal.

Falando da minha experiência, hoje sei que acordar super cedo e com despertador não é o que faz o meu dia ser mais produtivo. O que preciso é descansar, para estar disposta e focada no dia seguinte. Tenho acordado por volta das 7h30 – 8h, e a não ser que não seja possível negociar, não marco nada no período da manhã, antes de levar as crianças para a escola. Meu dia começa mesmo depois das 10h30, e isso não o torna menos produtivo do que quando eu acordava com o despertados às 6h.

Os exercícios eu encaixo diariamente, de acordo com o que tenho programado no dia, ou seja, pra mim não funciona um horário fixo para ir para a academia. Tem dia que acordo com despertador e vou super cedo, tem dia que vou depois que deixo as crianças, tem dias que vou a tarde, outros que vou à noite.

Isso porque minha rotina é flexível, eu não tenho horários fixos para quase nada, e a cobrança que eu tinha de um horário determinado fazia eu me sentir pressionada e quando não conseguia cumprir ficava frustrada. E isso foi tentativa e erro.

Esses foram apenas dois exemplos, mas esse entendimento precisamos fazer do dia como um todo. Entender em que horário do dia você consegue se concentrar melhor, em que horário está mais “lenta” e atividades que exijam foco não serão adequadas.

A minha dica é: sente que as coisas ficam enroscadas, que parece que você não sai do lugar, pare e analise. Esse é o melhor horário para fazer essa atividade? Se você trocar com outro tipo de tarefa não poderia ser mais efetivo? Não há resposta mágica, é realmente cada um se entender.

2. Setorize os dias da semana por tipo de atividade / tarefa

Isso é algo que implementei a pouco tempo e tem me ajudado muito. Aqui conto minha experiência, pode ser que para você não funcione, mas eu ter dividido a minha semana por tipo de atividade me traz uma tranquilidade e uma otimização maior do tempo.

Eu percebi que estava pipocando muito na rua, e especialmente em grandes cidades, como SP, onde moro, os trajetos de ida e volta são demorados. Consolidei então tudo que preciso resolver na rua naquela semana em um dia só (médico, hortifruti, mercado, correio, etc etc etc). Não que eu não saia nos outros dias, mas o grande volume está consolidado, e isso tornou minha semana muito mais produtiva.

A minha divisão ficou assim:

  • Segunda-feira: dia de organizar a vida. Renovo a energia da casa (onde arrumo bagunça, coloco roupa para lavar, deixo os espaços livres para circulação do que foi ficando espalhado no decorrer da semana), organizo o cardápio e as compras da semana, resolvo pendências administrativas, revejo a minha programação semanal, agendo compromissos pendentes. É um dia que procuro não sair de casa.
  • Terça-feira / Quarta-feira: um dos dois dias uso para compromissos na rua. Prefiro a quarta-feira, que é o dia que tem a Feira Orgânica que gosto de ir e que está localizada em uma região que é caminho ou próxima de muitos outros compromissos. Em um dos dois dias eu também deixo reservado para as atividades relacionadas ao BLOG.
  • Quinta-feira: dia da Panela de Duas, minha empresa, minha fonte de renda. Consolido aqui a produção para os pedidos agendados, planejamento, controles, etc.
  • Sexta-feira: dia para cuidar de mim e iniciar a organização da semana seguinte. É quando faço minhas unhas, procuro estar com o marido a noite, para jantarmos juntos, assistirmos uma série, as crianças dormem um pouco mais tarde.

Essa divisão não significa que eu faça só aquelas atividades naquele dia, mas me orienta a eu definir de que forma distribuo meus compromissos e minhas prioridades.

3. Defina suas prioridades

Você precisa ter prioridades na vida, é isso que vai te orientar a saber para o que precisa dizer não, o que pode ser deixado para amanhã e o que você não pode ou não quer deixar de fazer.

Por aqui tenho duas prioridades principais: uma é cuidar de mim, praticar exercícios físicos ao menos 4x na semana, e a outra cuidar da minha alimentação e da alimentação da minha família.

Considerando isso, depois que coloco no meu planner meus compromissos com horários marcados, a prioridade é encaixar em que momento do dia pretendo me exercitar e em que dia farei as compras da semana.

Existem semanas em que os compromissos que não tenho como alterar – pedidos agendados da empresa, prazos de pagamento, reuniões – me demandam mais, e em outras semanas estou mais livre, e aí consigo ir encaixando atividades não urgentes, mas que gostaria de fazer. Se elas não são feitas, ok, desde que eu foque em o que é prioridade. Desde que estabeleci claramente o que é mais importante, dificilmente isso fica pra trás.

4. Tenha horários livres para imprevistos

A nossa vida passa por imprevistos, e consequentemente nossos dias também. Não tem a menor possibilidade de termos uma agenda totalmente tomada, com horários cronometrados para mil atividades urgentes e importantes, pois as coisas podem sair do controle, e aí você vai se frustrar, se irritar, se achar incapaz de dar conta de tudo, se cobrar, e não conseguirá pensar com tranquilidade, de que forma agir para solucionar o problema.

Problemas surgem, eles existem, e o impacto que eles têm em nossas vidas, varia muito da forma que o encaramos.

Superestime o tempo que você leva para concluir cada atividade, e se sobrar um tempo livre, maravilha!!!! Não se sobrecarregue já no seu planejamento. Por experiência própria, não dá certo.

5. Faça pausas durante o dia

Às vezes começamos a executar uma tarefa e chega um momento que o negócio empaca. Não rola, não desenvolve, não rende. E o que fazemos? Ficamos dando murro em ponta de faca. Porque precisamos entregar, porque precisamos finalizar, porque precisamos fazer, porque temos prazo.

Mas o que precisamos mesmo é aprender a respirar e entender que o nosso corpo precisa de pausas, e que essas pausas, muitas vezes, vão fazer uma diferença absurda! E quando eu falo de pausa é parar mesmo e ir fazer algo que esvazie sua cabeça. Ligar para uma amiga, tomar um café, comer um doce, dar uma volta na rua, meditar, fazer outra atividade que não tenha nada a ver com a que estava executando.

Temos que aprender a respeitar nosso corpo. A levantar para fazer xixi, a parar para tomar um copo d’água, a respirar fundo, a se alongar. O corpo é uma máquina, e máquinas falham. Não adianta querermos exigi-lo até a exaustão.

Uma pausa pode fazer milagres! Pense nisso.

6. Identifique o que tira seu foco

E quando estamos super concentradas e de repente, cadê o foco? Sumiu, foi para outra galáxia, desapareceu do mapa. E aí, como faz? Eu diria para nesse momento, você voltar a dica anterior e fazer uma pausa.

Mas outra dica importante é identificar o que tira seu foco e encontrar maneiras de driblar esses sabotadores.

Por aqui algumas coisas me tiram o foco – whatsapp (tiram o meu e o de 99% da população certo?), telefone tocando, sede, compromissos na cabeça.

No decorrer do tempo eu fui observando que essas interferências acabam prejudicando minha produtividade. Então, quando preciso fazer algo que exige concentração, quando tenho pouco tempo para finalizar determinada atividade, procuro me afastar de todos esses sabotadores.

Deixo o celular em outro cômodo e no silencioso, pois se o telefone tocar, também não vou ouvir (e fiquem tranquilas, quem precisa falar com você com urgência, vai encontrar outros meios), deixo uma garrafa de 1 litro de água do meu lado, e mantenho sempre um caderninho de anotação com uma caneta perto de mim. Não importa o que eu esteja fazendo. Se eu lembrar de alguma coisa que precisa ser feita e não está anotada, paro na hora e anoto. Pronto, a hora que tiro da cabeça sei que aquilo não vai mais se perder, e isso me dá um alívio gigante.

7. Aceite que as coisas saem do planejado

Falei mais acima que as coisas saem do planejado e precisamos simplesmente aceitar isso e termos mais compaixão de nós mesmas. No geral, quem mais lembra e valoriza nossos erros, somos nós mesmos.

E muitos erros não são nem percebidos com a gravidade que os vemos. Nos cobramos demais, para fazer perfeito, para fazer no menor prazo, para termos elogios. E não, isso não vai acontecer sempre. Primeiro porque não vamos conseguir satisfazer todo mundo, por melhor que façamos as coisas, já que as expectativas dos outros são diferentes das nossas. Depois que por mais que consideremos que nos esforçamos e fizemos um bom trabalho, não seremos sempre reconhecidos por isso.

Então, o importante é estarmos tranquilos com a nossa consciência, saber que demos o nosso melhor, que pode não ser a nossa melhor versão. E está ok. Bola pra frente, teremos oportunidade de fazer diferente depois.

Se amem mais, se cobrem menos. E pratiquem a gratidão, todos os dias das suas vidas. Isso muda tudo.

Espero que tenham gostado do post

Beijos

Mari

Deixe seu comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.