Dieta Low Carb, Paleo, Reeducação Alimentar – O que estou fazendo?

Quem me acompanha no Instagram, minha principal mídia para compartilhar minhas dicas e dia a dia, sabe que desde o início deste ano estou SUPER focada em um novo estilo de vida, com uma “nova” alimentação, combinada com exercícios diários. Tenho mostrado diariamente minhas refeições, trechos das minhas aulas de dança, e as perguntas que mais recebo são: “Mari, você está fazendo low carb? Mari, olha esse perfil de dieta paleo, tudo a ver com você agora! Mari, conta mais da sua dieta!”. Mas e aí, o que estou fazendo? Dieta Low Carb, Paleo, Reeducação Alimentar??????

Imagem Pixabay

Bom, acho que estou fazendo tudo ao mesmo tempo… kkkkkkk. Mas deixando brincadeiras a parte, eu não gosto, pelo menos nesse momento, de nomear minha alimentação atual como isso ou aquilo. Eu acredito que estou no início de um longo processo, de uma mudança de mind set, de um novo relacionamento com o meu corpo, com a minha saúde, que envolve, obviamente, minha alimentação.

Depois daquele post sobre a aceitação do meu corpo, que gerou muito interesse e engajamento, especialmente no Instagram, me parece que uma chavinha mudou, que alguma coisa aconteceu e eu decidi que havia chego a hora de fazer algo por mim.

Sim, eu estava feliz, não estava desgostosa da vida em função do meu corpo, mas acho que aquele post foi como uma despedida de uma fase de aceitação, que me despertou o interesse de mudar. E mudar pra quem? Essa pergunta é super importante! E a minha resposta é: mudar pra MIM, para EU me sentir melhor, porque EU estou com vontade, porque esse é o MEU momento.

E aí começou um processo, acredito que muito mais psicológico do que físico, de questionamentos, de desafios para mim mesma, de análises de porque não fazer? Isso tudo foi em meados de Novembro, e eu cheguei à conclusão de que eu não poderia esperar 2018 para tomar uma atitude comigo mesma, não quis postergar, e imediatamente tomei algumas providências.

Tirei da minha rotina o consumo de farinha branca e açúcar refinado, já que eu vinha comendo pães e bolos caseiros todos os dias! Minha alimentação não era um lixo, era bem variada, com diversas opções de comida de verdade, MUITA fruta, verduras, legumes, diariamente. Mas também pizza toda semana, macarrão, arroz com feijão, pastelzinho na feira, chocolatinho acompanhando o café todo santo dia depois do almoço.

Antes mesmo do Natal chegar, em 10 dias eliminei 2 kg e dei uma boa desinchada. Fiquei muito feliz, foi um gás inicial para seguir em frente. Durante a semana me mantinha na linha, e aos finais de semana satisfazia minhas vontades, sem sofrimento, sem grandes desejos, mas tendo cada vez mais vontade de fazer diferente.

Chegaram as festas de final de ano, e eu não me senti tentada a me jogar na mesa de sobremesa, a comer tudo que tivesse disponível. Comi de tudo sim, mas de forma bem controlada, para os hábitos que eu vinha tendo até então.

E aí chegou o novo ano e disse para mim mesma: AGORA É PRA VALER!

Farinha branca e açúcar somente se não tiver escolha, ou se a vontade realmente aparecer. Redução de frutas no cardápio, porque a quantidade que eu vinha consumindo era uma bomba de frutose, que obviamente estava sendo acumulada em algum lugar (entende-se lugar por barriga…rs.). Exercício físico todos os dias, de domingo a domingo, sem desculpa, 30 min pelo menos.

Não defini que seguiria dieta, que tipo de dieta, só defini as condições acima. Não defini também perder tantos kg, ou ficar magra para usar biquini até dia x. O compromisso comigo mesma foi me alimentar melhor, praticar exercícios físicos, para reduzir meu abdômen e me sentir bem. Foi isso.

E os resultados começaram aparecer! Aquela roupa que marcava já não marca mais (ou pelo menos marca menos), o intestino passou a funcionar melhor (diferente da maioria, eu tinha o intestino muito mais solto do que preso, e isso é tão horrível quanto!), as noites de sono estão mais bem aproveitadas, a minha rinite está incrivelmente melhor!!!! Não são motivos suficientes para eu continuar seguindo em frente? Pra mim são!

Só que passados os dias, cada vez me sentindo melhor e entendendo melhor o meu corpo, as dúvidas começaram a surgir: vou para a aula de zumba agora, o que será que eu como? e essa quantidade, será que tá adequada? pipoca sem óleo com água de coco, será que é adequado? essa fruta tem alto ou baixo índice glicêmico, com o que eu combino?

Foi então que senti a necessidade de um acompanhamento profissional, que vem me ajudando a melhorar essa minha relação com a comida, com as minhas escolhas, a fazer escolhas inteligentes, e fazer com que isso tudo seja um estilo de vida, e não uma dieta, seja ela denominada como for. Vou deixar para contar sobre o programa com uma coach de emagrecimento que iniciei na semana passada em outro post, provavelmente quando o processo for finalizado.

Então sim, estou fazendo diversas receitas low carb, também tenho seguido algumas coisas da dieta paleolítica, no sentido de escolher boas gorduras (com cuidado na quantidade) para combinar nas opções das minhas refeições, e obviamente estou passando por um processo de reeducação alimentar.

Agora, o mais legal disso tudo é que está bom, está gostoso, está prazeroso! E acho que essa é a chave para eu seguir sem deixar os fatores externos me tirarem do eixo. Certamente ainda teremos muito a falar desse assunto.

Vai lá no Instagram, me acompanhe, e aos poucos vou contando sobre minha evolução pra vocês!!!!

Beijos – Mari

Deixe seu comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.