Vale a pena comprar Orgânicos?

Na semana passada fui conhecer uma feira orgânica que abriu em um local de fácil acesso pra mim, o Feirão Orgânico Parati. Fiquei bem contente em ter a possibilidade de frequentar uma feira de orgânicos com variedade e produtos de qualidade, pois próximo de mim ainda não tinha encontrado um local que achasse bacana.

Comprei uma variedade grande de produtos, principalmente de folhas e legumes, e apenas algumas frutas. O valor gasto foi maior do que o valor que costumo gastar na feira livre, com produtos cultivados da forma tradicional, ou seja, com agrotóxicos. E aí fiquei pensando que seria legal abordar esse assunto aqui. Vale mesmo a pena consumir produtos orgânicos? A diferença de preço vale a pena? Porque é fato, apesar dos produtos orgânicos estarem cada vez mais acessíveis, ainda representam uma variação no nosso orçamento que pode ser significativa, dependendo do tamanho da família.

Foto publicada no meu Instagram

Adianto dizendo que, na minha opinião, para quem tem condições de colocar ao menos uma parte dos produtos orgânicos consumidos no dia a dia no orçamento, eu acho que vale a pena sim. Isso porque a produção de orgânicos não é somente livre de agrotóxicos, transgênicos e fertilizantes sintéticos, mas uma agricultura baseada em práticas sustentáveis, buscando equilíbrio ecológico e respeito ao homem, o que pra mim faz muito sentido, pensando no mundo que gostaria de deixar para minhas próximas gerações.

No site do Ministério da Agricultura, existe uma página com perguntas e respostas, e as que achei mais interessantes de compartilhar são as que listei abaixo, pois são questões que já “me pegaram” em muitos momentos.

Frutos grandes e bonitos indicam o uso de agrotóxico?

O mito de que o produto orgânico é menor, ou mais feio, já foi superado pela produção orgânica. O consumidor deve exigir qualidade ao adquirir esses produtos.

Por que produtos orgânicos são mais caros? 

O produtor orgânico se preocupa com a preservação do meio ambiente e tem compromisso com a qualidade de vida de seus empregados. O produto, então, pode ter seu custo de produção um pouco maior, acrescido destas responsabilidades cidadãs. A oferta em relação à procura por produtos mais saudáveis, também eleva o preço no mercado. Mas, tanto em supermercados como nas feiras livres é possível adquirir produtos orgânicos com preços compatíveis. Escolher produtos orgânicos estimula o crescimento desta prática, aumenta a oferta e diminui seu preço ao consumidor.

Como saber se o produto que estou comprando é realmente orgânico? 

Conforme a legislação brasileira, em vigor desde janeiro de 2011, o consumidor reconhece o produto orgânico através do selo brasileiro ou pela declaração de cadastro do produtor orgânico familiar. Todo produto orgânico vendido em lojas e mercados tem que apresentar o selo em seu rótulo. Já o agricultor familiar precisa vender seus produtos diretamente, para que o consumidor possa estabelecer uma relação de confiança com ele ao comprar seus produtos na feira.

 

 

Tá, legal, sabemos que a agricultura orgânica é um negócio bacana, que protege o meio ambiente, que envolve todo um conceito de sustentabilidade. Mas falando agora da nossa saúde, de uma forma mais imediata, o quanto isso é benéfico para nós e nossa família?

No portal da ANVISA, o último relatório do Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos (PARA) foi publicado com resultados de amostras analisadas de 2013 a 2015. Esse estudo demonstrou quais os alimentos com maior risco de causar uma intoxicação, dentro de um período de 24 horas, devido a presença de agrotóxicos em níveis acima do permitido.

Ou seja, o uso de agrotóxicos não é proibido, porém, há um limite para que isso não cause danos graves à nossa saúde. A imagem abaixo, publicada no site da Exame, mostra qual o percentual, do total de amostras analisadas que apresentaram risco de contaminação. Eu fiquei pasma ao ver que a laranja está em primeiro lugar!

Tem também uma lista mais antiga, do relatório de 2011 – 2012, que não leva em consideração o risco de contaminação em si, mas os níveis de agrotóxicos usados acima do permitido, além do uso de substâncias não regularizadas. Me parece que algumas coisas melhoraram, se compararmos os dois estudos, apesar de terem tido enfoques um pouco diferentes. Mas como não sei o quanto de política e independência está envolvido nisso tudo, prefiro me atentar a um “mix” das duas informações…rs.

Imagem do site Hypeness

Vejam nos riscos indicados na imagem acima, como desconfortos que nos acometem frequentemente e de forma corriqueira podem ter relação com a ingestão excessiva de agrotóxicos (dores de cabeça, alergias, coceiras).

Então, no fim das contas, o que fazemos? Exterminamos os produtos produzidos de forma convencional da nossa vida? Seria bom, mas ainda não estamos nesse patamar, pelo menos não é a realidade do meu dia a dia. Tento consumir orgânicos da forma que é possível, que a minha disponibilidade e rotina permitem, de acordo com o acesso que tenho a esses produtos. Mas minhas compras estão bem longe de serem 100% orgânicas.

Se fossemos avaliar os produtos que mais valem a pena consumir da agricultura orgânica, segundo informações do site Greenme, que fizeram sentido pra mim, estão os as frutas de casca fina, especialmente as que não tem casca ou as que consumimos a casca, onde está a maior concentração de agrotóxicos (morangos, uvas, maçã, pera…), folhas, batata, milho e soja. Estão neles a grande carga de agrotóxicos no nosso país. No caso do milho, que é transgênico, já está demonstrada sua potencialidade negativa no corpo humano e animal.

Produtos com cascas mais grossas, mesmo a laranja e o abacaxi, listados na avaliação de risco de contaminação, tem um risco menor da contaminação da polpa, assim como a banana.

Aqui em casa o que gosto de consumir orgânico e sinto bastante diferença na cor, textura e sabor são: morango, tomate, folhas no geral, especialmente couve manteiga, ovos, tofu, feito de soja e que o Luli adora! Com essa pesquisa mais aprofundada que fiz, vou incluir o milho e a batata na minha lista. O milho eu já sabia que é transgênico, mas essa informação passa desapercebida muitas vezes. A batata eu achava menos arriscado.

Agora, para finalizar, vale ressaltar que apesar de serem alimentos orgânicos, o cuidado com a higiene deve ser o mesmo que os alimentos convencionais. Ou seja, os alimentos orgânicos crus devem ser bem lavados e em água corrente, pois também há o risco de contaminação por bactérias e coliformes fecais.

Espero que tenham gostado do post. Pesquisei muitos artigos e informações que pudessem ser interessantes para mim, antes de compartilhar com vocês também!!!!

Vou ficar muito feliz se vocês deixarem comentários, compartilhando suas opiniões, contando se gostaram das informações e de que forma encaram o consumo de orgânicos por aí.

Beijos – Mari

Deixe seu comentário

2 comentários

  1. Eu adorei esse post. Acho fundamental pensarmos na qualidade de vida da nossa família e também da sociedade como um todo. Podemos mudar o mundo aos pouquinhos, mudando o que está ao nosso alcance. Minha filha tem 2 anos e teve problemas intestinais quando nasceu. Não sabia sobre a batata e a informação que você trouxe vai me ajudar a oferecer uma alimentação mais saudável pra ela. Muito obrigada! 💛

    1. Mari, eu mesma fiquei sabendo de informações que não sabia, inclusive a da batata. Fico feliz que tenha gostado do post. Beijos