5 Verdades Maternas

Quando nos tornamos mãe, ainda na gestação, lemos, ouvimos, observamos e vamos criando algumas verdades para nós. Sobre o que faremos, o que não faremos, o que esperamos para nossos filhos.

Algumas verdades viram mito (rs), algumas se mantém, e outras descobrimos.

Hoje compartilho com vocês, nesses meus quase 6 anos de maternidade, 5 das MINHAS verdades, que fique claro, não são necessariamente verdades para todo mundo ;-). É claro que eu poderia incluir mais muitos outros itens nessa lista, mas começamos com 5, e em outros posts vamos complementando.

Imagem Pixabay

Verdade 1 – Criança gosta de rotina

Acho que uma das poucas coisas que desejei, idealizei, me esforcei e pratiquei tanto com a Nina quanto com o Luli foi essa questão da rotina. Hoje em dia existe uma dificuldade bem maior em fazê-la cumprir, e também um desprendimento, que julgo saudável, quando não é possível cumprir. Mas por aqui é muito claro. Quando seguimos dias com a rotina certinha, de horários, de rituais, de padrões de comportamento, as crianças seguem bem mais seguras e tranquilas. Quando a rotina desanda, não adianta querer estressar e culpar as crianças, a irritação vem mais fácil, a paciência, a incompreensão, e isso dos dois lados, das crianças e dos pais. É difícil, porque seguir a rotina depende muito mais dos adultos, e a disposição para fazer tudo sempre certo não está sempre presente né? rs

Verdade 2 – Nossos exemplos são reproduzidos

Você pode dar sermão, pode falar, ensinar, discorrer um pergaminho para seus filhos. Faça diferente do que disse uma só vez! Aqui acontecem duas situações (com a Nina, principalmente):

1. rapidamente ela nos chama a atenção, pois nossa ação não condiz com nosso discurso. Exemplo: “não pode falar de boca cheia, é falta de educação”. Aí sabe aquela garfadinha que você coloca na boca e troca meia dúzia de palavras enquanto mastiga? Bingo! É a oportunidade para você, mãe ou pai, ser repreendido.

2. ela age com um comportamento inadequado, e logo que é repreendida diz: mas eu vi você fazendo isso no dia XYZ. Se eu não posso você também não pode!

Por outro lado, ações que nunca sequer conversamos a fundo a respeito são repetidas, como demonstrações espontâneas de carinho, palavras de gratidão a Deus usadas no momento correto, interpretações que são usadas direitinho. Dia desses eu estava conversando com a Nina, não me lembro qual o assunto, mas eu dizia que aquilo era um milagre de Deus! Ela me questionou sobre a questão do milagre e eu disse que para Deus nada é impossível.

Alguns dias se passaram e meu pai disse: Se Deus quiser vai acontecer!

Logo a Nina respondeu: vovô, vai acontecer, porque minha mãe disse que para Deus nada é impossível!

Como não amar?

Verdade 3 – Irmão mais novo tem mais regalias

Pode ser que no decorrer dos anos minha opinião mude. Sou irmã mais velha, esse não é um fato que me incomodou durante minha vida, mas sendo mãe de dois acho sim que Yuri tem mais regalias. Eu não diria que ele é mais mimado, mas reflito muito sobre isso, tentando não ser injusta com nenhum dos dois, e tenho concluído que a grande questão é que a mãe de mais de um filho não tem mais a disponibilidade que existia quando era um filho só. Não importa o tipo de rotina, o estilo de vida, a disponibilidade muda, e acabamos abrindo mão de algumas coisas, deixando de comprar algumas brigas, simplesmente porque não dá para reprimir um, enquanto o outro também precisa de você.

É meio que acode quem está precisando mais, e nessas, mesmo com algumas coisas que você não concorda, você considera que são não tão graves, mas quando tinha um só considerava gravíssimas, e acaba escolhendo mais criteriosamente quais batalhas vai enfrentar.

Verdade 4 – Mãe sempre sente culpa

Eu diria que não sou das mães mais culpadas. Acho que lido até que bem com essa questão. Mas não adianta, mãe é um ser culpado! Vira e mexe a culpa vem, nem que seja por alguns instantes, nem que logo ela passe. Nós, mães, simplesmente apagamos da mente tudo que fazemos de bom e nos martirizamos, muitas vezes, em um pequeno ato que julgamos que poderíamos fazer diferente. Fico pensando se na época das nossas avós essa culpa toda existia, me parece que não… acho muito que esse negócio de internet e rede social, que pinta uma vida perfeita, mães perfeitas, famílias perfeitas, acaba trazendo essa culpa para nós, que nos espelhamos em vidas que não são as nossas. Enfim, deixados de lado os motivos, mãe sente culpa. Se não sentiu ainda, vai sentir, ah vai! rs

Verdade 5 – É IMPOSSÍVEL dar conta de tudo

E acho que um resumo de todos os pontos anteriores e que é uma verdade absoluta, é que não tem como dar conta de tudo! Não importa que você tenha um suporte de pessoas que te ajudam, se não tem, se trabalha em casa, se trabalha fora… é necessário estabelecer prioridades, é preciso deixar coisas de lado, é preciso aceitar que não dá para acertar sempre, é preciso se aceitar como um ser humano que erra e acerta, e aprender com os erros.

E por aí, quais são as suas verdades maternas?

Beijos – Mari

Deixe seu comentário