Vocês que Mandam: A Escolinha e as Viroses

Faz tempo que não rola um post com um tema sugerido por vocês na tag “Vocês que Mandam” não? Aliás, vocês sabiam que podem enviar sugestões de temas para eu escrever aqui? Me ajuda muito, principalmente no meu momento de vida atual, onde meus minutos são cronometrados para fazer tudo o que preciso durante o dia e, muitas vezes, falta inspiração e tempo para pensar no que trazer de informação para vocês.

Aí a Tati Ferreira, uma seguidora, sugeriu o tema de hoje em um comentário que acho que vai rolar identificação de muita gente:

“Mari, poderia fazer um texto de como não enlouquecer com as doencinhas que aparecem na ida para a escola? Estou ficando de cabelo em pé… não passa um mês sem nariz escorrendo aqui… bjokas”.

Bom, a primeira coisa que eu diria é que eu não tenho dica nenhuma de como não enlouquecer com isso (rs), já que eu mesma fico com os cabelos em pé com essa situação! É fogo né, porque, principalmente quando as crianças ainda são bem pequenas, tipo, antes de 1 ou 2 anos, no geral, se estão no berçário é porque os pais trabalham e fizeram essa opção, ao invés de ter uma babá em casa. Aí, além do fato da criança ficar doente, que já é suficiente para deixar o coração na mão, tem a questão de: o que fazer com a criança doente se preciso trabalhar????

No meu caso, acho que o que mais pega não é o fato de estar doente em si, porque isso não está sob meu controle, mas o fato de nem sempre ser EU que estarei cuidando quando as crianças estão doentes.

Vamos então a um histórico, desde que a Nina entrou no berçário, até meu momento de vida atual.

A Nina começou a frequentar a escolinha com 6 meses, 1 mês antes de eu retornar ao trabalho, depois de 6 meses de licença e 1 mês de férias. A adaptação foi acontecendo de forma progressiva e, logo na segunda semana, após meu retorno, me ligam da escolinha dizendo que ela estava com febre. E então, nesse momento, foi dada a largada para a temporada de viroses. Ela ficava uns 3 dias em casa, uns 10 na escolinha, uns 5 em casa, uns 7 na escolinha, mais uns 2 em casa, uns 15 na escolinha, até que, na semana em que completou 1 aninho, teve que tomar o primeiro antibiótico.

A parte boa é que eu tinha uma empregada em casa todos os dias, então, eu não precisava me ausentar do trabalho, pois eu tinha alguém que ficava em casa, cuidando com todo amor da Nina, nesses momentos. Ela nunca teve algo super sério e que gerasse grandes preocupações e, com o passar do tempo, a frequência dessas doencinhas foi diminuindo. Hoje, com 4 anos, eu não lembro quando foi a última vez que a Nina ficou em casa por conta de estar doente. Vem um resfriado ou outro, mas ela se recupera muito rápido e praticamente nem se abala.

O Yuri, começou ir para a escolinha com 7 meses, fez dois dias de adaptação, eu já voltei a trabalhar e ele começou a ficar período integral em poucos dias. E aí, como já previsto, na segunda semana de berçário chegou a primeira virose, febre, nariz escorrendo, tosse e todas essas coisas chatas que vêm no pacote.

Há uns três meses ele foi diagnosticado como “bebê chiador” e estamos em um tratamento contínuo com medicação por 6 meses. A escolinha pode ter ajudado nesse diagnóstico precoce, pois é provável que o ambiente do berçário tenha sido a porta de entrada para o primeiro vírus de bronquiolite que ele pegou. Só que se ele não estivesse no berçário, não significa que não teria bronquiolite nunca na vida, talvez só demorasse mais para ter pela primeira vez.

Comparando com a Nina, eu acho que ele ficou menos dias sem frequentar a escolinha por conta de doencinhas. Mas também tem o fato de que hoje não tenho alguém todos os dias em casa, então, se ele não está muito debilitado, eu acabo mandando. Não tem muita opção. Eu sei que é péssimo, que tem outras crianças, que ele pode passar algum vírus para os amiguinhos, mas gente, vamos ser realistas, no berçário sempre vão ter as mães que não terão opções, e sempre terá criança com algum tipo de vírus em contato com os amiguinhos. É um dos motivos que deve aumentar esse índice de viroses. No geral, os bebês não estão no berçário para as mamães assistirem Ana Maria e Sessão da Tarde certo? Estão no berçário porque as mamães estão trabalhando.

Bom, contado esse histórico, eu acho que, além do fato do Yuri ser o segundo filho, ter tido contato com vírus em casa, antes mesmo de ir para a escolinha, por conta da irmã, tem algumas coisas que fui aprendendo durante esses anos, que não, não acabam com a possibilidade das viroses chegarem, mas fui percebendo que ajudam muito a não deixar a criança super derrubada.

Eu vejo que as crianças, aqui em casa ficam doentes, mas não ficam super debilitadas e se recuperam muito rápido!

Aqui em casa trabalhamos, em conjunto com a pediatra, muito focados na imunidade, e as medidas que adoto são:

  • Alimentação variada, com muitas frutas, verduras e legumes.
  • Florais de Bach periodicamente. Faço ciclos esporádicos, quando vejo que os resfriados começam vir com muita frequência
  • Homeopatia para prevenção, no início do outono
  • Lavagem nasal com soluções salinizadas periodicamente, no mínimo, duas vezes por dia
  • Lavagem nasal com 10 ml de soro fisiológico, com maior frequência, sempre que percebo que alguma secreção começa acumular
  • Inalação com soro fisiológico sempre que começa tosse mais carregada
  • Fisioterapia respiratória em crises. Como disse, o Luli é “Bebê Chiador” (tem bronquite) e tem uma propensão maior a juntar secreção e sentir os efeitos de resfriados de forma mais sofrida. Fizemos algumas sessões de fisioterapia respiratória no último resfriado que ele teve, para evitar medicação. Foi sensacional! Ele respondeu muito bem e ficou zerado! Agora está resfriado de novo e já iniciamos mais algumas sessões, para não deixar o quadro piorar. Eu acho essa opção excelente, pois evita o uso de medicamento e, na minha opinião, é bem efetiva e traz alívio mais rápido.

Temos que nos conformar e pensar que, com o tempo, isso melhora, fato. Eu não sei o tempo exato, mas acredito que, pelo menos o primeiro ano é mais puxado.

No fim das contas, não temos muito controle sobre nossos pequenos ficarem doentes, mas acho que podemos dar uma mãozinha, no que estiver ao nosso alcance, para prevenirmos. No meu caso, não levar na escolinha não é uma opção de prevenção, então, o que acaba me deixando mais tranquila, respondendo a pergunta da Tati, é saber que estou fazendo o melhor que posso para tentar evitar e, quando não tem jeito, deixar as crianças mais confortáveis até os vírus irem embora.

E por aí, alguma dica para compartilhar?

Beijos – Mari

Deixe seu comentário

12 comentários

  1. Aline comentou:

    Meu filho entRou na creche com 6 meses tambem e existe duas vidas: antes e dePois da homeopatia, fato!

    1. Eu adoro Aline. Acho que quanto mais cedo começa, maiores as chances de ter resposta positiva, porque o organismo ainda está “limpo”, sem o vício de medicações.

  2. Gabrielq tefili comentou:

    Mari, qual floral é bom p qdo fica resfria repetidamentw?

    1. Puts Gabi, eu não sei qual exatamente, porque a pediatra das crianças faz a composição na hora, de acordo com a necessidade e vai juntando um mix do que precisamos para aquele momento sabe? Ela faz uma combinação e avalia também a raiz do problema…

  3. Gabrielq tefili comentou:

    Usei fLoral qdo ouve uma mudanca grande na vidinha da gio, segyindo a sua duca e deu suoer certo!

  4. Tatiana Ferrari . comentou:

    Obrigada mari! amei! vou procurar florais tbm… bjokas

    1. Tati, caso seja de SP, a pediatra das crianças é especialista em florais. Beijos

  5. nAtalia comentou:

    Ola Mari! Sofremos um bocado juntos com nossos pequenos, né?! Tem horas que me sinto iMpotente diante de tantas doenças/viroses. Gostaria de obter mais info sobre a fisio respiratoria , contato se puder tbm. Meu caçula de 1 ano tbm ficou ruim com sintomas de bronquite, levamos um susto! Bjos e obrigada pelos textos !

  6. Fernanda comentou:

    Oi mari
    sou a fernanda, sua vizinha. adorei seu blog!
    li essa matéria e fiquei ainda mais apavorada. gael vai para o berçário no meio de agosto e estou com o coração na mão por causa das doenças. marcela foi só com 2 anos (e quando foi ficou muito doente do mesmo jeito).
    já faço no gael todas essas lavagens no nariz, mas confesso que estou bem insegura…
    beijo

    1. Oi Fe!!!!! Se quiser marcar um café para conversarmos me fala. Isso faz parte, são coisas que não temos muito como evitar. Mas vou te dizer que, apesar desse frio que está fazendo, Luli está super bem nas últimas semanas!!!! Acho que se você começar um tratamento para imunidade agora, vai ajudar bastante!!!! Quero conhecer o Gael. Beijos! Mari

      1. Fernanda comentou:

        Oi Mari! Agora que Vi sua resposta!
        Vc tem homeOpata para indicar? Levei marcela a um, mas nao gostei….
        Beijo