Alguém Escreveu: Sobre Botões de Macacões

No último post eu falei para vocês sobre alguns modelos de macacões, sobre o que vejo de positivo e negativo em cada um, considerando a facilidade para vestir e tirar. Aí me lembrei de um artigo que li na Folha de São Paulo, que meu marido me mostrou, e ri muitooooooooooooooooo!!! Quem escreveu foi o Antonio Prata, um colunista que escreve contos e crônicas, entre elas, sobre seu cotidiano como pai. E o que acho muito legal nos textos desse escritor é, exatamente isso, a visão do pai sobre a rotina com um bebê em casa.

Nesse texto específico, ele fala sobre os benditos dos botões dos macacões, e é impressionante, seja mãe ou seja pai, não tem como não se identificar. Então, hoje vou começar uma nova tag aqui no blog – Alguém Escreveu. Nela vou transcrever textos de outros autores, concedendo os devidos créditos. São coisas bacanas que leio por aí e que acho legal serem compartilhadas. Não é sempre que é possível compartilhar links, então, criei essa tag para essa finalidade. Espero que vocês gostem!!!

Vamos começar a semana com humor?

botao macacao

Google Imagens

“É inacreditável que no ano da graça de 2015, depois de havermos tocado a face da lua e o fundo dos mares, a Nona de Beethoven e o Marin pra correr, ainda não tenhamos encontrado uma maneira melhor de fechar roupas de bebê do que esses 134 botõezinhos metálicos que as serpenteiam da gola ao dedão do pé, ora pela frente, ora por trás –ora pela frente E por trás– com traçados mais mirabolantes que os caminhos do Waze na hora do rush.

Quatro e dezessete da madrugada, o bebê urra, você aperta, em vão, o trigésimo sétimo botãozinho do pijama. O botãozinho não fecha. Você inclina o corpo para que a lanterna no seu sovaco ilumine melhor a cena –com o cuidado de não jogar o facho nos olhos do seu filho, já por demais assoberbados diante da sua trevosa incompetência– e, sob a luz tíbia das alcalinas insones, você descobre que os dois botões são iguais. São dois botões com furinho. Onde está, então, o botão com pininho?

Lembre-se, são 4h17. O bebê urra. Você não está de férias. Você tem um emprego no qual costumava ser competente. Você tem prazos que costumava cumprir. Você tem uma mulher com a qual costumava fazer sexo. Você tem sonhos que costumava perseguir. Você não queria estar com uma lanterna no sovaco, procurando, no escuro, um pininho metálico. Mas você está, porque milhões de anos de seleção natural te programaram para agir assim, porque seus genes falam mais alto –e mais alto ainda falou sua mulher, meia hora atrás: “Eu também trabalho amanhã! Eu já fui às onze e à uma e meia! Nem vem!”.

Você acha, enfim, o botão com pininho. Está atachado do outro lado da roupa, um botão acima, ou seja, todos os 36 botões anteriores foram fechados errado, ou seja, você terá que voltar 36 casas neste complexo jogo de tabuleiro chamado neném.

Eu me pergunto, enquanto vou abrindo os botões e fechando a cara: o que houve com o velcro? Por que o velcro não trilhou o futuro brilhante que, lá por 83, imaginamos para ele? Lembro de, aos seis anos, festejá-lo como um salto evolutivo irrevogável. Por que alguém se submeteria, depois dele, ao suplício medieval de amarrar cadarços? O velcro substituiria não só os cordões dos nossos tênis, mas os fechos das roupas, as alças das bolsas, os cintos de segurança. O velcro, porém, não dominou o mundo. Foi como aquela mochila voadora na abertura dos Jogos Olímpicos de Los Angeles, em 84, uma falsa esperança, de modo que aqui estamos, agora, penando pra fechar essa roupa, andando com as próprias pernas.

Veja: eu tenho um celular que faz filmes. Uma máquina que faz pão. Uma escova de dentes que parece uma nave do Star Trek. Em vários momentos do meu dia, me sinto em 2074. Basta meus filhos fazerem cocô, porém, e volto a 1352.

Eu apoiaria um deputado que levantasse a bandeira: “Por uma revolução no vestuário neonatal! Por um choque de lógica no pijama de pezinho!”. Não, um deputado, não, tem que ser um esforço internacional, tipo um Plano Marshall, pois com o Congresso atual é capaz de a roupinha acabar sendo aprovada com 1.786 botões (superfaturados), onze cadarços, seis zíperes, uma cruz na gola, e, se bobear, umas algeminhas para os bebês que chorarem depois das oito.

É duro, meu filho, mas a verdade é essa: estamos abandonados à própria sorte. Nós e os nossos botões”. Por Antonio Prata.

Boa semana!!!!

Beijos – Mari

Deixe seu comentário

2 comentários

  1. Ahahah muito bom! não tinha parado pra pensar que ao invés dos botoes poderiam ser velcro, seria bem maaaais pratico né :)

  2. Marô comentou:

    muito bom esse texto mari!!