38 Semanas de Gestação e a Espera Continua

Dando continuidade ao post da semana passada, quando estava com 37 semanas e 3 dias de gestação, hoje continuo a história, com 37 semanas completas, iniciando a semana 38.

DSC_2768

Foto Karim Scharf

Eu comentei no post anterior que teria uma sessão de drenagem na quinta-feira passada. Tive, contei sobre as contrações e os alarmes falsos para a fisioterapeuta e ela perguntou se eu queria que ela estimulasse alguns pontinhos que favoreceriam o trabalho de parto. Pontos estimulados, o dia terminou, eu mais relaxada e chegou a sexta-feira.

Fiz uma sessão com minha fisio de exercícios para estimular o trabalho de parto. Caminhada leve, respiração, exercícios na bola e vem uma contração forte, beeeeeeeeeeeeem forte. Mas uma só não significa nada. Precisa de muitas daquelas, ritmadas, e isso não acontece. Chegam outras, mas bem menos intensas.

Meus pais chegam do interior para ficar comigo. Vai que o Yuri nasce, tem que ter alguém para ficar com a Nina e minha mãe não quer deixar essa responsabilidade para outra pessoa. Levo meus pais para almoçar, trabalho de casa durante o dia, fico ansiosa, vou no final do dia no salão fazer pé, mão, cabelo. Pelo menos estarei apresentável se o Yuri quiser chegar. Durante a sessão de beleza, três contrações médias, considerando o que senti até agora. As manicures alvoroçadas, ai meu Deus, será que vai nascer um bebê aqui??? Eu me divirto, dou risada.

Vou caminhando com meus pais para buscar a Nina, preparo um jantar rápido, comemos, a noite passa, chega sábado e nada de novo acontece.

Passamos o dia em casa, eu, papai, Nina, vovô, vovó e minha irmã também chegou depois do almoço. Algumas contrações durante o dia. Algumas mais doloridas, outras menos. Já que não tem sinal de nada efetivo saímos todos para jantar com a amiguinha da Nina e os pais dela. Durante o jantar algumas contrações que começam aumentar de intensidade vieram, mas não foram fortes o suficiente, tanto que mantive a classe e ninguém percebeu…rs.

Voltamos para casa e começam a vir contrações mais ritmadas, mais doloridas e eu me pergunto: será? um dos sinais é o aumento do ritmo e da intensidade. Só consigo dormir as 2 da manhã, de dor, de ansiedade, de desconforto.

As seis da manhã do domingo acordo, com uma cólica bem forte! Forte como não havia sentido ainda. Levanto, vou ao banheiro e começo a prestar atenção. Cada contração que vem parece ser mais dolorida. A médica disse que eu saberia a hora de ir para a maternidade, chamo o marido e digo que acho que está chegando a hora. Acordo meu pai, minha mãe, tomo um chá com torradas, tomo um banho, vamos levar as malas, porque acho que dessa vez é para valer. E vem contração atrás de contração, com intervalo de 10 minutos e intensas. Não insuportáveis, mas doloridas o suficiente para as lágrimas escorrerem e eu não conseguir prestar atenção em outra coisa ao meu redor.

Chegamos na maternidade, eu, meu marido e meu pai, em uns 20 minutos e as contrações continuam. A Nina fica em casa com a vovó e antes de eu ir embora digo que vamos ao hospital para ver se é a hora do Yuri nascer. Eu já havia explicado que com ela foi assim, ela entendeu e só me perguntou antes de eu sair: quando você voltar, você senta nessa cadeira para me pegar no colo? Me emociono, mas seguro o choro para não deixar ela sensível, já que me parece que ela está percebendo que alguma coisa está acontecendo no ar.

Damos entrada na maternidade por volta das 8 da manhã e a enfermeira vem me buscar por volta das 8h20, bem no meio de uma contração: nossa! olha a barriga, vamos esperar passar.

A contração passa e ela me leva com um acompanhante. Meu pai, que está super ansioso, coitado, fica na espera e meu marido entra comigo. Tira a calcinha, levanta o vestido, vamos fazer o cardiotoco. Nossa, tem muita gestante dando entrada hoje, a lua está virando, nesses dias sempre aumenta o número de partos. Penso que realmente deve ser a hora.

Mais contrações, mais lágrimas, mais dor e as enfermeiras começam a preparar o questionário da internação, bem diferente de quando dei entrada no possível trabalho de parto da Nina, que elas achavam que eu iria embora e a médica pediu para internar e resolveu tudo bem rápido com uma cesárea.

Chega a médica plantonista para fazer o exame de toque. Colo fechadinho, nadica de dilatação. Espera um pouco que vão ligar para a minha médica.

Minha médica orienta a hidratar com soro, dar buscopan, fazer uma ultra e exame de urina. Faço tudo, enquanto fico no soro, por mais de uma hora, o medicamento não faz qualquer efeito e as contrações continuam rítmicas e dolorosas. Acho que a hora está chegando mesmo. Faço a ultra e ele está ótimo, confortável, alto, batimentos ok, líquido ok, placenta ok, tudo ok. Ele não está parecendo querer nascer. Não apresenta qualquer desconforto, quem está desconfortável sou eu. Mas está gordo, beeeeeeeeeem gordinho, com 3,700 kg!!!! Mesmo contando com uma margem de erro, ele continua sendo grande.

Acabam os procedimentos, falo com minha médica e ela diz que se internar vai ser cesárea. Pergunto se é necessário e ela diz que não. Decido voltar para casa. Vou esperar mais os sinais de verdade chegarem. Mas volto frustrada, confesso. Volto sugada, física e emocionalmente. Volto um pouco irritada, muito angustiada. Almoçamos e todos dormem. Perco a hora para ir ao aniversário do filho de uma amiga querida. Fico chateada, mas paciência, eu precisava daquele descanso. Precisava muito!

E aí as contrações continuam. Espaçadas, algumas doloridas, outras não. E começo a refletir algumas coisas. Essa angústia e essa expectativa não estão legais, não está sendo mais uma espera gostosa.

Estou escrevendo esse post na segunda-feira, dia 25/05, às 22h30. Ele ficará programado para ser publicado no dia 26/05 às 06h00. Se nada de diferente acontecer durante essa madrugada, tenho hoje, terça-feira, uma ultra agendada para as 11h00 e consulta com a GO as 13h. Nessa consulta tenho algumas perguntas para fazer e aí vou tomar a decisão que, na verdade, já está 99% decidida.

Tá virando novela né? rs. Então, aguardem as cenas dos próximos capítulos.

Beijos – Mari

Deixe seu comentário

5 comentários

  1. Caroline comentou:

    Ow, Mari!
    acho que vc está pensando como eu acho que vou pensar no próximo bebê… que a espera seja boa, quando não for mais, quando eu não aguentar mais, vou pra cirurgia… acho que esse esgotamento mental é muito difícil…
    que deus abençoe vocês!!
    beijooo!

  2. Liana comentou:

    Seja forte mari… deus está no controle! bjokas

  3. Vivianne comentou:

    Mari, Deus te abençoe!!!!! Tudo vai dar certo!!!! Tente manter a tranquilidade!!!! Me diz uma coisa…. qtos kilos você engordou???? Estou finalizando a 26 semana e já engordei 9,5…. estou apavorada!!!!!! rsrsrs, bjs doces…..

    1. Vivi, engodei 13 kg. Só na última semana engordei 2 kg por conta da ansiedade. comia igual doida…rs

  4. Sara comentou:

    Oh que emoção!!!! Que texto lindo!