Dicas de Boas Maneiras à Mesa

Oi pessoal!!!!! Vamos começar a semana falando de um assunto que muita gente gosta: Alimentação!!!!

IMG_4830

Quem vê dona Nina na foto acima, toda compenetrada comendo sua macarronada, pode achar que por aqui a hora da refeição sempre foi fácil. Engano seu cara amiga. É fato que ouvindo o relato de outras mães sobre o que passam com os pequenos para que eles comam bem, tenho que levantar as mãos para os céus e agradecer todos os dias!!!!

A introdução alimentar por aqui foi super fácil e tranquila. A Nina sempre aceitou tudo o que era oferecido e sempre comeu super bem. Quando voltei a trabalhar e ela passou a ficar o dia todo na escolinha, sempre comeu bem também e a cada novidade nunca apresentou problemas ou resistência.

Maaaaaaaas, no final do ano passado, período em que ela ficou de férias por 20 dias e eu fiquei responsável pelos cuidados da minha princess 24h durante 7 dias da semana, passei por dias bem estressantes na hora da refeição, pois, além dela ter ficado doente, e é fato que isso interfere na alimentação, ela passou a demonstrar alguns comportamentos, digamos que não tão elegantes à mesa (rsrsrsrsrsrsrs):

* Queria colocar os pés na mesa durante as refeições

* Queria ficar de pé na cadeira, cadeirinha, cadeirão ou onde estivesse sentada (ou não). Um pausa para um dia em que fomos comer fora, e ela se interessou pela comida do prato do papai. Eu fiquei tão feliz que quase dancei na mesa!!!! Mas apesar do interesse, ela passou a refeição toda de pé na cadeirinha, dançando, dando gritinhos, e não muito comportada. Mas estava comendo, e isso que importava. Preferi lidar com os olhares repreensivos ao meu redor que se falassem diriam: “você não vai fazer nada com essa menina doida pulando como um cangoroo?????”, do que com o desespero de ver a Nina comer mal ou não comer em mais uma refeição.

Pronto, aprete o play e pode continuar.

* Se não queria algo que estava no prato arremessava no chão, ou

* Gritava, chorava, esperneava até que alguém fizesse a vontade dela, ou ainda

* Arremessava os talheres com comida na maior distância que conseguisse

* Abria a boca para comer, mas logo que sentia o gosto ou a textura da comida (sei lá eu qual era o problema) cuspia tudo. Isso era o que mais me desesperava!!!!

* Se fosse contrariada e o prato estivesse na sua frente, arremessava o prato cheio de comida no chão

* Quando comia eram de duas a cinco colheradas e nada mais. Algumas vezes aceitava a fruta e o suco, outras vezes não

* E para completar, quando fazia essas coisas e reprendíamos ou davamos bronca, ela simplesmente ria!!!!! (desaforo total)

E aí? Alguém se identificou com alguma das situações acima????? Gente, eu ficava para enlouquecer!!!!! Era uma coisa atrás da outra, e nada da Nina comer (sem querer rimou..rs). Primeiro descobri que a falta de apetite estava sim totalmente relacionada com um princípio de pneumonia que ela estava passando, mas a parte dos maus modos, era falta de educação mesmo. E se estava faltando educação, decidi que iria educar. Afinal, quem manda aqui?????? (medo! espero que eu continue mandando… porque a bichinha tem uma personalidade!!!!)

Fui então pesquisar, ler e refletir sobre o que poderia fazer para tentar melhorar isso. O que mais me preocupava é o fato da Nina ser miúda. Ela não tem muita reserva para perder, e dois dias comendo mal já são suficientes para o efeito aparecer no corpinho esbelto. Coloquei algumas “técnicas” em prática e somadas à volta do apetite depois que o antibiótico começou a fazer efeito, as coisas foram melhorando aos poucos.

* Li em vários artigos que o leite traz muita saciedade para a criança, então, passei a reduzir a quantidade do leite que a Nina tomava ao acordar. Ela normalmente mama 210ml com mucilon, e eu passei a dar 150ml sem o mucilon. Melhorou, e logo no primeiro dia ela já passou a comer todo o lanchinho da manhã. Ela também toma uma mamadeira no período da tarde. Cortei essa mamadeira e o jantar também foi melhor. Hoje em dia ela já está tomando o leite em suas quantidades habituais. Fiz isso só até ter certeza que o apetite tinha voltado e que ela estava comendo direito de novo.

* Vocês viram no post sobre a rotina alimentar da Nina que ela faz beliscos entre as refeições aos finais de semana. Nesse período cortei todos esses beliscos. Ela só comia na hora da refeição. Ajudou muito!!!!

* Nos momentos de desespero se ela não comia, ao invés de esperar a hora da próxima refeição, ou eu dava outra coisa no lugar (quem nunca?), adiantava a próxima refeição, ou dava um suco no intervalo. Parei de fazer tudo isso. Substituir a refeição por outra coisa parei muito logo, pois racionalmente sabia que aquilo só prejudicaria. Depois passei a esperar o horário habitual da próxima refeição, contando que a fome apareceria, e depois cortei esses sucos nos intervalos. Li que o suco também traz saciedade e interfere muito no apetite se consumido em um período inferior a 30 min antes da refeição, que era o que acontecia. Também ajudou!!!!

* Até então, normalmente eu dava o almoço ou o jantar da Nina antes da a refeição da família. Quando íamos comer ela brincava pela casa, assistia um desenho ou ficava chamando e chorando querendo a atenção de quem estava à mesa. Passei a colocar ela para comer junto com nós. Por isso os ajustes dos horários durante os finais de semana, já que não consigo ter almoço pronto as 11h da manhã. Ela vendo os outros comerem, passou a se interessar mais pela comida e queria mostrar para nós que estava comendo direitinho.

* Passei a deixar ela “comer sozinha”. Colocava a comida no prato e ela ía se virando. Parte pegava com a colher, outra parte com os dedinhos, e quanto estava com dificuldade eu ajudava empurrando a comida para a colher. Isso ajudou muito, muito, muito mesmo!!!! Ela ficava orgulhosa em ver que estava independente e fazendo tudo “igual” mamãe e papai. E fazia e ainda faz sujeira sim. Não tem jeito, faz parte do processo ter que limpar a lamequeira depois. Mas o que acho importante, é diferenciar a sujeira de uma criança que está na tentativa de acertar o alvo e colocar a comida na boca, da criança que está brincando com a comida.

* Se via que estava brincando com a comida, tirava o prato e os talheres. Perguntava antes se ela queria comer mais e normalmente ela dizia: “não mamãe. papá não”. Então eu tirava o prato dizendo que comida não é brinquedo. Ela chorava muito!!!!!! Mas eu mantinha minha posição firme e não devolvia. Quando ela falava que queria comer mais eu deixava mais um pouco. Se voltasse a brincar, tirava o prato dizendo: acabou! Afinal, eu já tinha dado o recado antes.

* Passei a colocar no pratinho dela tudo que tivesse no nosso também. Até hoje, todos os dias tem algo que ela não quer lá no meio, mas eu não tiro ou deixo de colocar. Se não quer não come, mas incentivo pelo menos a experimentação. Diversas vezes quando sirvo ela fica apontando e dando chiliquinho dizendo que não quer, e no final da refeição acaba comendo. Puro prazer de contrariar.

* Apesar de exigir um auto controle gigante, passei a não reprender ou brigar quando ela demonstrava comportamentos que eu considerava inaceitáveis. Se colocava o pé na mesa, afastava a cadeira da mesa (ela gritava), se arremessava comida, eu tirava o prato (ela gritava), se cuspia comida eu fingia que não estava vendo e logo ela começava a comer direito. Se persistisse, tirava o prato (ela gritava). A minha escolha foi a causa – consequência, ao invés da repressão. Rapidinho ela entendeu o que acontecia quando tinha esse tipo de comportamento.

* Ajudou muito também a compra de acessórios novos para comer. Comprei vários pratinhos e talheres decorados com personagens que ela gosta. Eu dizia que a comida era do personagem que estava escondido e que precisava comer tudo para o personagem aparecer. Ela adora essa brincadeira até hoje!!!! Vai comendo e ficando toda contente quando a Hello Kitty aparece no fundo do prato dizendo: ó mamãe, miau, miau… papá miau!!!!

Bom, colocadas essas ações em prática, até as coisas melhorarem de fato, foram muitas refeições de choradeira, gritos, frustrações (dela de não conseguir o que queria, e nossa dela não ceder tão fácil). Muita coisa não aconteceu mais e outras melhoraram.

* Os pés na mesa ela nunca mais colocou (Amém!).

* Ficar de pé na cadeira ela ainda quer ficar. Em casa ela se mantém sentada até terminar a refeição e muitas vezes termina de comer e quer continuar sentada com a gente. Mas, se estamos comendo fora, depois que ela termina não quer mais ficar parada. Paciência, ela é uma criança ativa e curiosa, e normalmente nos revezamos para dar voltas com ela pelo local ou tentamos entretê-la com alguma coisa, que vezes funciona, e outras vezes não.

* Quando ela não quer alguma coisa diz que não quer e não come. Mas nunca mais arremessou nada. Quando está satisfeita me chama e fala: “não té papá”. Enquanto fala levanta o prato da bandeja do cadeirão para que eu retire. Faz isso com a mamadeira, com o suco, com a fruta e com qualquer coisa que esteja comendo e não queira mais (Amém!). Porém, antes de ter essa atitude de lady, em muitas refeições, cospe a última colherada que coloca na boca para dizer que não quer mais (nem tudo é perfeito… buaaaaaaaaaaaaa).

* Ainda chora e esperneia quando não tem sua vontade atendida, mas com uma frequência bem menor.

* Voltou a comer super bem e os beliscos não intereferem mais nas refeições. Claro que se ela belisca em horários muito próximos come menos. Mas não deixa de comer.

* Não ri mais quando leva bronca. Sabe que a bronca é séria, faz bico, fica sentida e envergonhada e chora, às vezes grita (um passo de cada vez né gente? Ela não fazer mais isso já é nível avançado… hahahahahaha).

É um exercício diário que requer muita paciência e amor. Hoje em dia posso dizer que não tenho problemas para a Nina se alimentar. E acho também que amadureci como mãe.

Hoje consigo entender que ela não precisa gostar de tudo. Nem eu gosto de tudo. Aprendi que se ela não gosta da cenoura cozida, mas toma o suco com a cenoura no meio, não tem problema. E se ela não quero comer melão em nenhuma forma que ele é apresentado, ok. Ela come tantas outras frutas.

Se ela só quis comer duas colheres no jantar, mas comeu super bem no almoço e nos lanchinhos, não tem motivo para eu me preocupar. Acho que mãe tem o hábito de dizer: meu filho não comeu nada (váaaaaarias vezes disse isso)!!!! Ok, não comeu nada naquela hora, mas e tudo que consumiu durante o dia?????

Se vez ou outra ela come assistindo televisão, mas não se comporta mal, não tenho porque ficar com neurose de que ela vai criar maus hábitos, já que eu adoro comer vendo TV e nem por isso não me alimento quando não tem a TV.

E eu poderia ficar aqui discorrendo mais um monte de questõe para vocês. Mas acabei me prolongando muito né?

Espero que vocês tenham gostado do post meninas. Vou adorar comentários!!!!!

Beijos e uma ótima semana – Mari

Deixe seu comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

8 comentários

  1. Luana comentou:

    perfeito! Mas aqui em casa como comecei no post anterior, ela está querendo participar da hora de comer, querendo pegar a colher e mexer no prato que estou dando, ou com a mão mesmo! Só que se faço isso vira uma bagunça e não tem condição de dar a comida que está no prato, porque ou está tudo no chão ou no cadeirão, ou misturadaço no prato! hihihhih… Queria saber a sua sugestão de fazer essa transição dela ter acesso ao prato mas sem atrapalhar a comida dela! As vezes coloco um pratinho pra ela com um pouco de comida, ou no cadeirão… mas em determinado momento ela quer o prato que eu estou pegando o papa dela!!!
    Fora que se der o prato pra ela segurar… ele com certeza vai direto pra chão! hihih…
    Tem alguma forma pra me ajudar!? hihh

    1. Oi Lu, pois é. A Nina quando era mais nova também fazia isso. É um Deus nos acuda!!! Normalmente ela vai querer o que está no prato mesmo. O que eu fazia era separar um pouco da comida no próprio prato para ela ir comendo. Aí ela vinha tentar mexer na “minha parte” e eu não deixava. Falava que o dela era aquele outro lado. Às vezes era a maior choradeira, mas aos poucos ela foi entendendo. E eu fui incentivando a segurar a mão dela com a colher, levar a mão cheia de comida na boca, e sempre dizendo que o papá era para comer, que era gostoso, e bla bla bla. A sujeira faz parte. Ela vai fazer muitas vezes a macarronada de chapéu, enfiar comida em todos os buracos do rosto, com exceção da boca, óbvio, esmagar na mão, passar no rosto… enfim. Faz parte das descobertas. Ah, e outra coisa, normalmente, no início da refeição elas estão com mais fome, e eu costumava não colocar o prato na bandeja do cadeirão logo de cara. Ia dando a comida, e quando ela começava a ficar impaciente eu colocava o prato e deixava ela mexer e fazer sujeira (socorro!!!!). Enfim, não sei te ajudou querida, mas fique tranqüila que isso é uma fase e passa. Beijos!

  2. Me identifiquei com todos os itens! rsrs
    Aqui em casa acontece o mesmo, com a diferença que eu dou uma colher pra, mas ainda não consegue pegar a comida. Fica brincando e colocando a colher vazia mesmo na boca. Mas tudo ainda vai ao chão, pés o tempo inteiro pra cima e quand ela não quer mais, fica tentando bater na colher ou dando chutes.
    É bom saber, pelo seu relato, que há esperança e que essa fase vai passar! hahaha
    Bjks, Gi

  3. carolina comentou:

    oi mari! Adorei seu post sobre alimentação! Queria saber uma coisa: quando vc diz que pesquisou e leu artigos, onde vc procura informação sobre esses assuntos? Algum lugar específico? Estou enfrentando problemas com a rotina de sono da minha filha de sete meses, pois voltei ao trabalho há pouco tempo. Além da pediatra, estou me socorrendo do Google. Vc tem alguma dica específica?
    Obrigada! Beijos e boa sorte com a alimentação da Nina!

    1. Oi Carol. Normalmente recorro ao Sr. Google também…rs. Aí vou filtrando e vendo os links que acho que são confiáveis e que estão bem escritos, possuem referência literária, etc. Mas sobre o sono especificamente, a minha principal fonte de consulta sempre foi o livro “A encantadora de bebês”. Para mim, as técnicas que ela ensina, se bem aplicadas, sempre funcionam. Beijos!

  4. Carolina de boLle comentou:

    Mari, onde vc comprou esse pratinho que tem uma rampinha??? Acha que vale a pena comprar??? Bjao

    1. Oi Carol! Eu comprei quando fiz o enxoval da Nina na Macro Baby. Aqui no Brasil vi na Alô Bebê, mas achei bem caro (R$ 64,00). Eu acho ele ótimo!!! Mas acho que dá para viver sem tranquilamente…rs. Não sei se pagaria o preço que é cobrado por aqui. Lá paguei bem baratinho. Beijos!